Justiceiro – 1º Temporada

As facetas de Frank Castle

A mais nova série da frutífera parceria entre Marvel e Netflix traz a primeira série solo de um dos maiores anti-heróis das histórias em quadrinhos. Abordando cenas de pura violência, temas extremamente profundos e vilões bem construídos, que trouxeram tanta atenção para as séries de heróis deste streaming, e estiveram ausentes nas ultimas produções.

O veterano de guerra, Frank Castle (Jon Bernthal), busca vingança sobre aqueles que participaram do massacre de sua família, enquanto, sem perceber, torna-se alvo de uma conspiração militar, por crimes que cometeu em seu tempo no exército.

Graças a sua trama muito bem desenvolvida que transcende o estereótipo de um homem perturbado que sai matando diversos mafiosos aleatórios por causa do assassinato de sua família, a série constrói uma conspiração militar que intercala três momentos extremamente significantes para a história, que são: o tempo de Frank no exército, o assassinato de sua família, e o atual momento em que a série se passa.

Desde seu primeiro capítulo a série utiliza o formato Netflix (13 episódios), como um fator positivo para si, embora mostre um desenvolvimento lento em seus primeiros episódios, eles são frenéticos e vibrantes, em momento algum a série torna-se desinteressante. Em seus últimos capítulos ela solta-se, trazendo um modo menos ortodoxo de contar história em seu episódio 10, Virtue of the Vicious, ao relatar diversos pontos de vista sobre o mesmo evento, enquanto nos demais episódios podemos finalmente ver toda a brutalidade de Frank, destaque para o episódio 12 e 13, Home e Memento Mori.

Justiceiro retoma o espirito de Demolidor e Jessica Jones, e se aprofunda na psique de seu protagonista, ampliando-se através de seus coadjuvantes que se mostraram ao decorrer destes 13 episódios tão interessantes quanto o personagem título. Mantendo-se fiel aos temas que abrange para si, construindo excelentes subtramas a partir deles, nenhuma delas gratuitas, todas muito bem colocadas, visando à trama principal. Entre os temas que Justiceiro aborda, todos refletem diversos aspectos da sociedade americana, aqueles mais polêmicos a série não traz um posicionamento, mas incita o debate ao trazer argumentos de ambos os lados.

Condizendo com o esperado, a série traz um excelente show cheio de cenas de ação extremamente inteligentes, desde a perseguição automobilística do episódio 04, Resupply, até as cenas mais brutais e violentas representadas em seus episódios finais.

Abordando diversas das facetas de Frank Castle e toda a sua complexidade e brutalidade, o protagonista da série mostra-se bem construído, desenvolvido e interpretado, com Jon Bernthal muito confortável na pele do personagem, traz uma atuação convincente e o Frank Castle perfeito para a Marvel. Outro grande destaque da temporada reside no relacionamento do protagonista com Micro (Ebon Moss-Bachrach), ambos compartilham de uma história muito parecida o que traz um caráter bastante íntimo e genuíno à relação deles, servindo como o elo emocional entre a série e público.

Após três séries de qualidade duvidosa, a Netflix e Marvel jogam estas memorias ruins para o passado ao nos trazer mais uma excelente produção, que aborda todos os aspectos que fizeram Demolidor e Jessica Jones duas das melhores séries do ramo. Justiceiro consolida-se como um excelente spin-off, talvez até melhor do que a série de onde deriva.

 

Justiceiro
Título Original: Punisher
Ano: 2017
Episódios: 13
Canal: Netflix
Nacionalidade: EUA
Gênero: Drama, Ação
Elenco: Jon Bernthal, Ebon Moss- Bachrach, Ben Barnes

 

Gabriel Lucas

Gabriel Lucas

Excêntrico estudante do Ensino Médio, um fã devoto de Game Of Thrones e Breaking Bad, que prefere abertamente a DC, um completo fanático por Watchmen e O Senhor dos Anéis, e admirador dos trabalhos de Woody Allen, Alejandro González Iñárritu e Stanley Kubrick.
Gabriel Lucas

Últimos posts por Gabriel Lucas (exibir todos)

Compartilhe!

Gabriel Lucas

Excêntrico estudante do Ensino Médio, um fã devoto de Game Of Thrones e Breaking Bad, que prefere abertamente a DC, um completo fanático por Watchmen e O Senhor dos Anéis, e admirador dos trabalhos de Woody Allen, Alejandro González Iñárritu e Stanley Kubrick.