Os Defensores

Um show de competência da Netflix com as obras Marvel.

Consistente, concisa e dinâmica, Defensores adapta a fórmula de Vingadores para a TV e nos apresenta uma das melhores séries de super-heróis de todos os tempos.

O plano era ambicioso, repetir a fórmula que deu certo no cinema e apresentar vários personagens para culminar em uma reunião dos mesmos. Tal qual o cinema, que tivemos filmes mais fracos como Thor (2011) ou Capitão América – O Primeiro Vingador (2011), o mesmo repetiu-se nas séries do Luke Cage e do Punho de Ferro, que apesar de ambientarem seus personagens centrais, não conseguiram angariar ritmo durante arrastados 13 episódios.

Ainda, tanto as duas temporadas de Demolidor, que podem ser equiparadas com os dois primeiros filmes do Homem de Ferro (2008 e 2010) e a temporada de Jessica Jones, que dividiu opiniões tal qual o longa do Hulk (2008), completam as semelhanças entre os dois mundos compartilhados do cinema e da TV.

Então assim como em Vingadores (2012) que juntou os heróis já apresentados em seus respectivos filmes, além de alguns outros coadjuvantes que entraram para o time principal, Defensores teve o mesmo objetivo, e claro, funcionou tanto quanto.

A história que já havia sendo estruturada nas séries introdutórias foi de fácil compreensão, o vilão principal continuou sendo o Tentáculo, organização criminosa que rodeou todos os heróis. Com personagens concisos e objetivos declarados, a trama segue simples e com desfecho óbvio, mas agradando, pois, a narrativa não cansa em momento algum.

A dinâmica entre os heróis também é incrível, com apenas dois dos heróis com passados cruzados, a estratégia de junção da equipe é bem elaborada, e mesmo quando parece que vai dar uma grande forçada, a trama surpreende e mostra que nem tudo são flores no mundo das super-equipes. O destaque vai para a dinâmica entre Punho de Ferro e Luke Cage, conhecidos pelo passado conjunto nas HQs, com certeza esses dois personagens renderiam bem mais em uma série compartilhada do que em seus mundos particulares.

Uma das maiores críticas nas temporadas introdutórias foi em relação aos combates, lutas pouco inspiradas e coreografias baratas que pouco empolgou o fã, que esperava um show de kung-fu à lá Bruce Lee, mas essa série não deixa passar vontade, com vários combates e coreografias convincentes, além de inúmeras piadas em relação aos defeitos já citados nas temporadas anteriores.

Mas não só o talento do quarteto principal é explorado nesta série, o elenco de apoio se destaca e chega até a roubar as cenas algumas vezes, para os conhecedores das HQs, fica aquele gostinho de “ainda vamos ver mais”, semelhante à cômica cena do Sargento Rhodes no primeiro filme de Homem de Ferro, então preparando o campo para futuras franquias.

Quanto a ambientação, o clima é uma mistura de tudo que já foi visto, sempre sendo adaptado para cada um dos personagens. O sangue rola solto, assim como as cabeças que costumam atravessar a tela algumas vezes, cenários bem construídos, mas limitados, o que não prejudica a ação.

A série tem um excelente ritmo, a escolha para apenas oito episódios foi acertadíssima, não deixando espaço para as recorrentes enrolações típicas das temporadas iniciais. A ação predomina nos episódios, assim como é dado o devido espaço para cada um dos personagens.

Quem se destaca é a Jessica Jones, a personagem não perde sua essência rebelde, mesmo diante das mais trágicas situações, ainda é a que mais faz piadas com seu humor sarcástico, mas nunca deixando sua origem conturbada desaparecer de sua construção. Luke Cage e Demolidor dão conta do recado, fazem aquilo que já era esperado de ambos, mas claro, com Luke parecido mais com a participação na série da colega de aventura do que em sua própria trama. Quem muito cresce é o Punho de Ferro, que tem um grande desenvolvimento durante a história.

Se fica uma crítica é para a construção do universo das séries, esta temporada deixa bem claro que a série Punho de Ferro não deveria ter sido feita, pois o personagem se mostra bem iniciante e sua ingenuidade era necessária para a trama da série principal, que fique a lição e que saibam aproveitar espaço, dando temporadas para personagens realmente importantes.

Uma ótima trama, episódios dinâmicos, personagens coesos, elenco afiado e referências, muitas referências marcam essa que com certeza se tornará a série de super-heróis preferida de muita gente, que venham mais!!!

 

Os Defensores
Título Original: Defenders
Ano: 2017
Episódios: 8
Canal: Netflix
Nacionalidade: EUA
Gênero: Fantasia, Ação
Elenco: Charlie Cox, Krysten Ritter, Mike Colter, Finn Jones
Gounford

Gounford

Amante do cinema, viciado em games, entusiasta de séries e escravo dos quadrinhos e livros... Ou seja, procura-se emprego para sustentar tudo isso!
Gounford

Últimos posts por Gounford (exibir todos)

Compartilhe!

Gounford

Amante do cinema, viciado em games, entusiasta de séries e escravo dos quadrinhos e livros… Ou seja, procura-se emprego para sustentar tudo isso!

  • Natt

    Bom, gostei da comparação, a idealização com o Universo dos Vingadores deixou aquela curiosidade a mais de assistir a série! Simplesmente amei a opinião sob o Punho de Ferro! 🙂

    • Gounford Thiago

      Obrigado Natt, acredito que essa semelhança não é mera coincidência, foi a fórmula que a Marvel encontrou para garantir o sucesso de seus produtos live action.

      Mais uma vez obrigado pelo comentário e em breve teremos um podcast sobre a série!!!

  • Eduardo

    Excelente análise. Assino embaixo! 😉

  • Wellington Vieira

    Simplesmente fantástica essa série. Só as vezes me dava raiva da Misty por fazer seu papel como uma oficial, já que “o buraco era mais embaixo” (desculpe a piadinha, rs). Mas já deu aquela referência sobre ela e a Colleen, após o ocorrido nos episódios finais dessa temporada. Muito feliz com as coreografias de luta!!! Muito mesmo! E o que dizer da Jéssica Motherfucking Jones? Ela é 10/10, to mode Virjão ON HUAAHUAHAUAHAUA’

    • Gounford Thiago

      Valeu mano, pô se eu soubesse tinha te convidado para o cast…

  • Daniel Lima

    Analise perfeita

    • Gounford Thiago

      Valeu mano!!!