Deuses Americanos

“Deuses são reais se você acredita neles”

A tentativa ousada do canal Starz em adaptar o excêntrico livro de Neil Gaiman estava rodeada de expectativas, expectativas estas que foram “divinamente” atendidas.

A série conta a história do detento Shadow Moon (Ricky Whittle) que sai antecipadamente da prisão em decorrência da morte de sua esposa, Laura (Emily Browning). No avião, ele encontra um homem misterioso que se autodenomina Mr. Wednesday (Ian McShane), este lhe oferece um emprego como seu guarda-costas, entretanto Shadow ao aceitar não fazia ideia que estava entrando em uma guerra entre deuses antigos e novos.

O roteiro, que embora seja lento, contando com a participação do escritor do livro, Neil Gaiman, é um dos maiores acertos da série, trazendo originalidade uma história bem desenvolvida, se aprofundando em personagens que no livro não ganharam tantas participações, como por exemplo, Mad Sweeney que aparece em apenas dois momentos no livro, ou Bilquis que também teve apenas duas aparições, e o curioso desses dois personagens na série em relação ao livro, é que nenhum dos dois ganharam um “Vinda à América”.

Abordando diversos temas como imigração (muito atual no cenário político americano), e fazendo densas análises em relação a temas mais individuais como adoração e crença (destaque para os episódios 5, 6 e 8), e usufruindo o máximo possível da diversidade racial, para quebrar preconceitos que a televisão tem em mostrar determinadas cenas com atores de determinadas raças ou sexualidade. O pensamento que American Gods deixa na mente de seu público no fim de sua primeira temporada é que ao entra na internet, ou irmos assistir televisão, ou até mesmo tomar um café, estamos diariamente, de modo indireto, adorando deuses.

Entretanto uma boa história não garante uma boa série, ela deve ser bem feita, e American Gods foi. Cada novo episodio trazia um novo diretor que introduzia ao publico um novo aspecto desse mundo fantasioso, trazendo em cada episodio originalidade, principalmente nos curtas, “Vinda à América” e “Em Algum Lugar na América”.  Outro ponto positivo é o elenco, trazendo não apenas representatividade, mas talento também, sendo o Ian McShane que nos mostrou uma excelente atuação na série inteira de modo natural e confortável na pele de Mr. Wednesday, ou a Gillian Anderson como Mídia ora vestida de Marilyn Monroe, ou ora como David Bowie.

American Gods honrou seu material fonte, trazendo para a televisão um show psicodélico, de modo fiel a seus personagens e tramas em um mundo colorido, tosco e acima de tudo fascinante. Embora existam problemas na montagem de determinados episódios, o resultado final desta primeira temporada é extremamente positivo, mostrando que American Gods é uma forma sólida de entretenimento que irá perdura por alguns anos.

 

Deuses Americanos
Título Original: American Gods
Ano: 2017
Episódios: 10
Canal: STARZ
Nacionalidade: EUA
Gênero: Fantasia, Drama
Elenco: Ricky Whittle, Ian McShane, Emily Browning
Gabriel Lucas

Gabriel Lucas

Excêntrico estudante do Ensino Médio, um fã devoto de Game Of Thrones e Breaking Bad, que prefere abertamente a DC, um completo fanático por Watchmen e O Senhor dos Anéis, e admirador dos trabalhos de Woody Allen, Alejandro González Iñárritu e Stanley Kubrick.
Gabriel Lucas

Últimos posts por Gabriel Lucas (exibir todos)

Compartilhe!

Gabriel Lucas

Excêntrico estudante do Ensino Médio, um fã devoto de Game Of Thrones e Breaking Bad, que prefere abertamente a DC, um completo fanático por Watchmen e O Senhor dos Anéis, e admirador dos trabalhos de Woody Allen, Alejandro González Iñárritu e Stanley Kubrick.