Em Busca de Sentido

Em busca de sentido: um Psicólogo no campo de concentração.

 

“A liberdade espiritual do ser humano, a qual não se lhe pode tirar, permite-lhe, até o ultimo suspiro, configurar sua vida de modo que tenha sentido.”

Em 1946, Viktor Frankl (Viena, 26 de março de 1905 – Viena, 2 setembro de 1997), escreve em 9 dias o livro Em Busca do Sentido. Este de nome original EIN PSYCHOLOG ERLEBT DAS KONZENTRATIONSLAGER, onde relata na primeira parte do livro a sua experiência nos campos de concentração como prisioneiro, e na segunda parte ele explica a metodologia psicanalítica por ele criada, a Logoterapia.

Frankl, em 1942, ele casado e sua esposa grávida foram aprisionados, separados e enviados a campos de concentração é neste momento que começa a sua maior experiência de vida. Viktor sente na carne como o ser humano pode ser cruel e sujo, pois até mesmo um dos seus que estavam ali aprisionados com ele entregavam seus companheiros somente para ter quem sabe um pedaço a mais de pão em uma das únicas refeições diárias. O autor descreve toda atrocidade vivida por aquelas pessoas, que já tinham suas dignidades jogadas ao vento, e eram tratadas como nada, e mesmo passando por tudo isso ele não perdia o otimismo de que todo este sofrimento, até mesmo sendo uma hipótese, acabaria. “A liberdade espiritual do ser humano, a qual não se lhe pode tirar, permite-lhe, até o último suspiro, configurar sua via de modo que tenha sentido” Viktor Frankl.

A segunda parte do livro é mais a explicação e as experiências em consultório da sua metodologia, a Logoterapia (Logos que em grego significa sentido), e que também é conhecida como a Terceira Escola Vienense de Psicoterapia, sendo a primeira a Psicanálise Freudiana, e a segunda a Psicologia de Adler. Esta terapia tem como foco ajudar o paciente na busca do sentido existencial, ou seja, desenvolver no indivíduo a capacidade de encontrar um significado para sua vida.

Este livro por incrível que pareça é de leitura fácil, sem aqueles termos/jargões utilizados pelos teóricos da Psicologia, que por muitas vezes poderia até mesmo afastar o leitor de continuar a ler. Frankl cita diversas vezes alguns autores famosos da literatura mundial, tal como Nietzsche, “Quem tem por que viver aguenta quase todo como”, para dar ênfase no que ele diz ao desafio e necessidade de se encontrar um sentido a vida. É o tipo de obra que não deve ser lida apenas uma vez, mas sim, ser revista, assim como um amigo muito querido que sempre estejamos em contato mesmo que longe.

“Nós que vivemos em campos de concentração podemos nos lembrar que os homens que percorriam as barracas para confortar os outros, abriam mão de seu último pedaço de pão. Eles podem ter sido poucos em número, mas eles sustentaram prova suficiente de que tudo pode ser tirado de um homem exceto por uma coisa: a última de suas liberdades—escolher sua atitude em um determinado arranjo circunstancial, a escolha de seu próprio caminho.” Viktor Frankl

Em busca de sentido

Título Original: Ein Psycholog erlebt das Konzentrationslager
Ano: 1946
Autor: Viktor Frankl
Páginas: 184
Editora: Vozes


Clovis

Clovis

Apaixonado por livros, séries e de uma boa história seja ela em quadrinhos ou em games, e ouvinte de um bom rock.
Clovis

Últimos posts por Clovis (exibir todos)

Compartilhe!

Clovis

Apaixonado por livros, séries e de uma boa história seja ela em quadrinhos ou em games, e ouvinte de um bom rock.